domingo, 17 de maio de 2015

Mixórdia

Hoje venho aqui falar de coisas da actualidade que podem não ter nada a ver umas com as outras mas por acaso eu até acho que têm.

Em primeiro lugar, aqueles miúdos que bateram no colega, na Figueira da Foz. Está mal, obviamente, nisso nem há discussão. Mas ou eu já sou uma cínica de todo o tamanho, ou nada disto me espanta. Pessoas de merda sempre existiram, de todas as idades e classes sociais. Putos estúpidos também. Bullying também. Até parece que ninguém andou na escola e, pelo menos, teve conhecimento de coisas deste tipo. Não sei qual é a solução para estes casos, mas pelo que vejo nas gerações mais novas, acho que estão a precisar de se situar, de perceber que o Mundo não gira à volta deles, e os paizinhos têm que ganhar tomates para os fazer perceber que não são os putos que mandam nos pais, e que estes não têm que dar este Mundo e o outro aos meninos nem que se lhes disserem não os vão traumatizar. Acreditem que um não no momento certo faz milagres, não sou mãe, mas falo como filha (obrigada pais por me terem ensinado a respeitar os outros e a perceber que não sou mais que ninguém). Um dos grandes problemas é que os pais hoje em dia dão merdas para os filhos se distraírem e estarem calados em vez de lhes darem atenção e de se preocuparem com os problemas. Isso e deviam começar a haver testes psicotécnicos para as pessoas que querem ser pais verem se têm jeito, que há com cada um por aí, depois admiram-se do que sai de lá, mas enfim isso é tema para outro post.
Por outro lado vi imensos posts de gente a criticar os miúdos, e com toda a razão, mas depois já generalizam que a juventude está perdida e que são todos uns calhaus com olhos. A ironia é que muita dessa gente que vi a dizer esse tipo de coisas, mandava altas calinadas no Português e como adultos também deixam muito a desejar.

Depois temos o novo acordo ortográfico, parece que agora é que é mesmo obrigatório. Ora vamos lá ver se eu consigo explicar o meu raciocínio sem ser mal interpretada. Eu não seria contra a ideia se vivêssemos num Mundo utópico. Supostamente o acordo serve para que em todos os países de língua portuguesa se escreva da mesma maneira, o problema é que enquanto Portugal, onde foi exactamente criada a língua, obriga toda a gente a mudar a forma de escrever para estar em conformidade com o acordo, os outros países estão-se a cagar. Por outro lado, se já em Portugal o pessoal não sabe escrever, no Brasil ou nos países africanos até mete medo ao susto. Os gajos nem sabem distinguir o mais do mas. Queremos mesmo escrever como eles  e isto virar uma salganhada ainda maior? Aparentemente sim...



O Benfica foi campeão, meu Deus, parou tudo. Eu não sou apreciadora de desportos e muito menos de clubismos, mas ainda assim não tenho nada contra, desde que de forma razoável, sem chegar ao fanatismo. Mas o que eu tenho pena é de ver gente que para trabalhar, para estudar, para exercer deveres cívicos, para ir a qualquer coisa cultural, etc., não tira o cú de casa, mas depois o Benfica é campeão e vai tudo para o Marquês, como se amanhã não fosse segunda-feira. Eu tenho exemplos destes na família e digo-vos, transtorna-me.



E pronto, por agora é isto.


2 comentários:

O Melhor Vem A Seguir disse...

Como eu concordo contigo. e digo mais, já não tenho paciência para isto.

Fifi disse...

Somos duas, eu esgotei a minha e acho que devia ser canonizada, pela minha paciência de santa. Uma pessoa olha à volta e é só malucos!